Baroak a Estrela Duela Nesta Segunda, Conheça a Obra



Sinopse:

 Todos nós, seres humanos, temos um poder transformador. Os aparentes conflitos e incapacidades podem ser o combustível essencial para nos tornarmos grandiosos, levando a uma experiência fora do comum, uma experiência mágica. Beatriz Comarin é uma adolescente de treze anos que vive o conflito de sentir-se excluída do grupo de pessoas de sua idade, abrindo-se, apenas, às estrelas do céu – suas amigas confidentes. A mudança em sua vida começa quando seu pai, Carlos Comarin, é transferido a trabalho para a Arábia, e ela e sua mãe Helena são obrigadas a segui-lo. Lá, a jovem compra um pote de cristal em formato de estrela das mãos de uma misteriosa mercadora, que a aconselha a abri-lo apenas quando realmente precisar. Beatriz não imaginava que naquela estrela estava Clair Baroak, uma djinn para os orientais, um gênio para os ocidentais, que entra em sua vida e, entre paixões, dissabores, festas, viagens ao Chile, à Europa, e projetos de vida, a transforma completamente. Bia não só aprende sobre um mundo místico, como acaba fazendo parte de uma história que está apenas no começo. Por meio de uma linguagem simples e descontraída, o leitor identificará em Baroak – A estrela sentimentos que o acompanharão a vida inteira: o medo e a coragem. 

 Resenha: 
"Vários conflitos acontecem durante o amadurecimento, tanto de ordem social quando emocional, evidenciando como adquirir experiência não é um mar de rosas, mas inclui também caminhos por cima de espinhos"
 Recentemente terminei a leitura de uma obra de fantasia (O Clã dos Magos) e em seguida comecei outra obra de fantasia, contudo este segundo livro mostrou-se com elementos a mais que, sinceramente, proporcionou-me uma leitura mais prazerosa. Considerei o livro melhor escrito por exibir uma evolução mais evidente nas páginas, ou seja, amadurecer progressivamente de forma a me surpreender. Uma história que começou como um drama adolescente, transformou-se em uma fantasia juvenil, com lições que permeiam as nossas vidas independente de idade (mais esclarecimentos a frente) e finalizou como uma história de amor madura, mas sem abandonar os elementos fantásticos. Posso considerar que a minha primeira escolha para uma Book Tour foi um grande acerto, com certeza pretendo participar de outros, quando a autora lançar novos livros, mas vamos compreender um pouco mais os motivos que me levaram a pensar assim.

 O primeiro ponto que me atraiu nesse livro foi a fantasia ser baseada na mitologia Árabe, uma que não é tão desenvolvida nos livros atualmente. Obviamente qualquer ponto de originalidade é algo que já pesa bastante na hora do leitor adquirir um livro e isso já seria um diferencial para leitores mais ávidos por novidades e curiosos. A criatura mitológica escolhida focada, a Djinn (um gênio para os ocidentais), também não é como costumamos conceber, muito pelo contrário, é dotada de um jeito bastante familiar.

 A protagonista chama-se Beatriz Comarin, uma garota cuja família possui uma ótima condição financeira e que vive cercada de cuidados paternos. A Bia, como é chamada pelas pessoas mais íntimas, poderia ser uma pessoa supérflua ou rendida à letargia da riqueza que os pais têm, entretanto ela caminha numa direção contrária. É uma garota muito introspectiva e com um intelecto que acaba destacando-a no meio em que convive, porém isso também acaba fazendo com que adquira algumas inimizades e viva situações indesejadas, algo que a maioria dos adolescentes enfrenta durante essa fase de formação base da personalidade. Aliás, uma das colunas do livro, é justamente o conflito de sentimentos e pensamento que movem o ser humano. A autora conseguiu aliar uma linguagem simples com uma questão importantíssima e da qual nenhum ser humano escapa, por isso, apesar do livro ter um formato juvenil, consegue cativar leitores de diversas idades, como é o caso do clássico “O Pequeno Príncipe”.

 A Djinn (Clair Baroak), que adapta a sua aparência a vontade de sua ama, age como uma espécie de consciência de Bia e a sua constituição mágica acaba se tornando apenas um detalhe, mediante seus pensamentos e o seu valor como força motriz para a transformação da protagonista. A obra prefere ampliar os momentos de profundidade de ideias e pensamentos do que se deter em uma exuberância acerca da fantasia. Valorizei ainda mais esse aspecto, pois demonstra que, acima de querer escrever uma história de fantasia, a autora se propôs a debater sobre coisas que fazem parte de nossa realidade. Acredito que a fantasia é um meio que usamos para criar alegorias sobre o nosso mundo, obviamente que frequentemente colocamos nesse gênero nossas aspirações em estado superlativo, mas no final das contas o que determina a qualidade de um livro são as entrelinhas e nisso “Baroak – A Estrela” possui riqueza.

 Existem vários personagens secundários, mas a narração não perde a organização em momento algum e cada página vai desenhando um quadro coeso em que cada ponto é fundamental para o desfecho. Como mencionei no início da resenha, a protagonista começa como alguém vulnerável socialmente e sentimentalmente, uma pessoa que se sente desfocada da realidade devido aos seus valores que não se harmonizam com a maior parcela de seu ambiente, mas, com a chegada de Clair, a garota começa a amadurecer numa alta velocidade, mas nada que me soou anormal ou sem sentido. Vários conflitos acontecem durante o amadurecimento, tanto de ordem social quando emocional, evidenciando como adquirir experiência não é um mar de rosas, mas inclui também caminhos por cima de espinhos. Essa é a lição que tanto é valiosa para o público juvenil, mas que não deixa de poder ser apreciada por adultos.

 Além desse lado mais crítico e reflexivo, a obra também possui uma face bastante romântica, mas não nos formatos açucarados que amiúde ficam enjoativos depois de algumas páginas, exceto para quem realmente encontra entretenimento nesta forma de literatura, afinal os estilos são tão múltiplos quanto as cores da natureza e cada cor possui a sua devida importância, nada deve ser absolutamente ignorado. Enfim, posso dizer que este livro despertou-me boas reflexões, assim como despertará nos leitores abertos à experiência. O desfecho foi um pouco repentino, contudo lembremos que este é o início de uma história que ainda na primeira parte assumiu um ar de esplendor e nos promete ainda mais deleite em sua continuação. Levando este fato em conta, percebemos que as cortinas se fecharam no preciso ponto para aguçar o nosso desejo.




Um comentário:

  1. Baroak a Estrela é muito bom!
    A E.E.Marlene M.Reis/Pratinha recebeu um exemplar como doação no Projeto Mãos Amigas,
    e é sem dúvida o mais lido entre a galera

    ResponderExcluir