Os Vizinhos do Cabral - Por E.C. Rezende

Há quem interessa a saída de um governador, que tirou milhões de pessoas do domínio de facções criminosas? Que implantou o Bilhete Único? Que mobilizou milhares de pessoas para irem as ruas e pedir que o petróleo carioca continue carioca? A Quem interessa? A resposta é simples. Isso Interessa ao povo.



 Eu passei por duas situações essa semana. As duas foram causadas pelos protestos que estão ocorrendo quase que diariamente na porta do Palácio Guanabara. Na primeira, o ônibus que eu estava foi parado bem em frente ao palácio por um grupo de pessoas, cuja o rosto eram encobertos por blusas, para obviamente não serem identificados ( até porque não se esconde de gás lacrimogêneo com blusas ). O veiculo não pode prosseguir pois o grupo impedia a sua saída. Da janela uma mulher gritou "Nossa, vândalos  estão quebrando tudo" de fato um dos manifestantes estava depredando um ponto de ônibus. Mas uma resposta dura e serena foi dada logo no banco da frente do veiculo  "Mesmo que não quebrem nada, o dinheiro sairá do nosso bolso de qualquer jeito" ninguém discordou da frase, naquele momento todos deram razão a passageira do banco da frente e ainda completou "Desde quando protesto pacifico resolveu alguma coisa neste país"

 Já no outro dia resolvi ver o que estava acontecendo, sai da faculdade e fui andando até as Laranjeiras, para saber quais eram as pautas e tudo mais, em meio a um pequeno grupo de manifestantes que faziam uma pequena roda no meio da rua conheci uma camarada jornalista, Ricardo Feltrin colunista da Folha Uol  me disse uma coisa muito simples mais de profundo simbolismo "Eu sempre venho para dar uma força ao pessoal, pois moro aqui perto" de fato a população apoia os protestos, ( até ressalto que os quebra quebra são necessários ), não quebro nada e mas eu entendo quem quebra.

 Depois disso conheci um rapaz que também é desafeto do atual governador e vizinho dele, "Um amigo meu (policial) me disse que estava aproveitando tudo isso para usar gás lacrimogêneo pela primeira vez"

 Os vizinhos do Cabral matam a charada ( que não é complexa ) sobre as indagações inciais do artigo. Tirar bandidos e colocar policias despreparados para ocupar favelas é um ato desastroso, Amaraido que o diga, implantar Bilhete Único mas aumentar a passagem de ônibus de forma absurda é um ultraje, pedir que a população venha a rua para usar dinheiro do ouro negro para compra de helicópteros é um ato de crueldade e se valer de P2 para invalidar os protestos é um ato sujo. Eu acho que esses fatos respondem todos os questionamentos colocados pela mídia e por seus sociólogos comprados e corrompidos que falam para os intelectuais mas esquecem do resto da população.




3 comentários:

  1. Parabéns ao Rio que tem seu primeiro Celso Pita.

    ResponderExcluir
  2. Bom, não moro no Rio, mas aqui na minha cidade, apesar de não ter protestos, estamos indignados com a atuação do poder público. Prefeito e vereadores que simplesmente estão a gozar a cara do povo. Sou a favor dos protestos, e sinceramente, o quebra-quebra, faz com que os governantes sintam medo. Ora, é nosso patrimônio? E todo o vandalismo feito pelo governo? Com a corrupção, empregar parentes, funcionários fantasmas, e todas as agruras que aprontam a cada minuto. Os "condenados" do mensalão são outra afronta a dignidade do povo. Falta saúde, educação, emprego. O nordeste brasileiro é aquela miséria onde serve apenas para se angariar votos. Milhões de pessoas e animais passando fome. Onde água é disputada com a vida. No caso do Rio, com ou sem depredação, o povo tem de ir as ruas sim. Os políticos se aproveitam de nós. Fazem leis que beneficiam tão somente a eles. Portanto, o negócio é simplesmente fazer essa turma se cagar de medo. O povo é maior, é mais forte do que policiais, soldados e suas armas. Podemos fazer a mudança tão sonhada. Basta arregaçarmos as mangas e derrubar esse governo. ^_^ Não apenas no Rio, mas em todo o Brasil!

    ResponderExcluir
  3. Seguinte: eu não moro no Rio e estava sabendo meio por cima dessas manifestações que ainda estão ocorrendo (não está muito na mídia, aliás, na tv aberta, mas creio que nos canais pagos está). Manifestar, tudo bem, agora quebrar as coisas, aí não concordo. É nosso também, é do nosso dinheiro que aquilo foi construído, comprado. Não tenho certeza se todos aqueles protestos que tiveram há alguns dias atrás mudarão alguma coisa, porque esses políticos são todos corruptos, mas ainda acredito - inocentemente - , que algum dia tudo isso possa mudar. Parabéns pelo texto, Edilson.

    ResponderExcluir